terça-feira, 17 de junho de 2008

Euro (peus) pois claro!

Somos todos europeus pois claro! Pelo menos os que habitam nesta Europa. Os outros são estrangeiros. Pelo menos era assim.
Agora que estamos com a febre do Euro, com os tugas a passarem à segunda fase apesar da banhada com a Suiça (0-2), estaremos todos unidos numa competição que sendo europeia, não é para todos, nem para toscos!

Digo isto porque ainda há uns dias a Irlanda escandalizava as hostes europeias mais conservadoras ao votar não ao Tratado de Lisboa. Estes sim são europeus, mas não estão no Euro. Para estes o pão e o circo não jogam no seu dicionário. A sina dos 3 Fs (Fátima, Futebol, Fado) faz com que a cauda da Europa, por mais países que se tenha, seja sempre ocupada pelo mesmo: Portugal.
A Irlanda meus amigos é um caso para ver e reflectir. Cresceu e muito nos últimos anos, soube modernizar-se e sobretudo começou uma revolução cinzenta, de massa cinzenta, no seu país. Agora colhe os frutos.

Em vez de se limitar a esbanjar as benesses e milhões concedidos por Bruxelas, aplicou-os e convergiu para a média europeia. Tanto convergiu que até superou-se.
Se calhar ao ponto de já não precisar da Europa.

Talvez Portugal não devesse fazer parte da UE. Talvez, à medida do que se faz nos países africanos, se pudesse controlar a nossa moeda, desvalorizá-la e ter crescimento. Como outrora se fez. Como se num estado de sítio estivéssemos.

Porque há bem pouco tempo vi como meia dúzia de camionistas pararam um país...

Somos todos europeus pois claro mas há claramente uns mais do que os outros...